segunda-feira, 21 de maio de 2012

Hormônios

Continuando a comunicação celular, temos ou hormônios, que também participam da comunicação entre células e são os principais agentes do Sistema Endócrino!


Hormônios
Os hormônios regulam o crescimento, o desenvolvimento, controlam as funções de muitos tecidos, auxiliam as funções reprodutivas e regulam o metabolismo.
Hormônio é uma substância química secretada por uma célula ou grupo de células no sangue para ser transportada a um alvo distante, onde exerce seu efeito em baixíssimas concentrações. Funcionam como sinais químicos que transferem informações entre as células, modulando a atividade enzimática da célula alvo.
Ao serem secretados os hormônios entram em contato com a maioria das células do corpo, mas somente aquelas que possuem receptores para eles são consideradas células alvo. Se a célula possui receptor para o ligante (sinal químico) a associação entre eles gera uma via metabólica de resposta.
A taxa de degradação de diversos hormônios é indicada pela meia-vida do hormônio na circulação.
Tecidos secretores de hormônios:
Embora, virtualmente, todos os órgãos possam exibir atividade endócrina, os órgãos endócrinos mais estudados são:
-          Hipófise
-          Hipotálamo
-          Tireóide
-          Adrenais
-          Paratireóides
-          Gônadas (testículos e ovários)
-          Ilhotas pancreáticas (de Langerhans) 


Tipos de hormônios:
·         Peptídicos
Compostos por aminoácidos. Possuem meia-vida curta (poucos min.). São solúveis em água, dissolvendo-se facilmente no LIC. Por serem Lipofóbicos não ultrapassam a membrana celular, então se ligam a receptores na superfície da membrana.
Muitos trabalham por meio de sistema de segundo mensageiro do AMPc. Poucos, como a insulina, tem atividade da tirosina quinase.
A resposta das células é rápida. E podem provocar abertura e fechamento de canais da membrana e modulação de enzimas ou de proteínas transportadoras do metabolismo.

·         Esteróides
Derivados do colesterol. Produzidos no córtex adrenal (aldosterona e cortisol), gônadas (estrógeno e progesterona).
São sintetizados no reticulo endoplasmático liso e por serem lipofílicos (difundem-se facilmente através da membrana) não é possível o armazenamento destes em vesículas. Portanto são sintetizados de acordo com a necessidade. Por não serem muito solúveis no plasma e em outros líquidos do organismo eles são transportados por moléculas de proteínas transportadoras. Alguns hormônios têm transportadores específicos, tal como a globulina ligada ao córticoesteróide. Outros simplesmente se unem a proteínas do plasma em geral, como a albumina. A união de hormônio esteróide com a proteína transportadora protege o hormônio da degradação enzimática e resulta em uma meia-vida mais longa. Porém ela também bloqueia a sua entrada na célula-alvo. À medida que os hormônios não ligados deixam o sangue e entram nas células, o transportador libera o esteróide ligado, permanecendo sempre uma pequena fração livre do hormônio no sangue.
O destino final deste hormônio é o núcleo, onde atua como um fator de transcrição ligando-se ao DNA e ativando um ou mais genes os quais formam um RNAm que dirige a síntese de novas proteínas.
·         Derivados de aminoácidos
Derivados de um único tipo de aminoácido. Divididos em 3 grupos.
A melatonina é derivada do aminoácido triptofano, as catecolaminas (adrenalina, noradrenalina e dopamina) e os hormônios da tireóide (T3 e T4) do aminoácido tirosina. Porém apesar de conterem um precursor comum se comportam de forma diferente. As catecolaminas possuem receptores de membrana já os hormônios tireoidianos receptores intracelulares que ativam genes.


O sistema nervoso utiliza uma combinação de sinais químicos (neurócrinos) e elétricos para se comunicar. O sinal elétrico viaja ao longo da célula nervosa (neurônio) ate atingir a extremidade final da célula onde ele é transformado em sinal químico secretado pelo neurônio. Se este sinal químico se difundir para um espaço extracelular estreito (fenda sináptica) até uma outra célula-alvo, ele é denominado neurotransmissor (ex.: noradrenalina). Se o sinal químico for liberado pelo neurônio e chegar à circulação ele é denominado neuro-hormônio (ex.: adrenalina).




Todas as Vias de sinalização possuem:
·         O ligante (primeiro mensageiro) que se liga ao receptor da célula.
·         A ativação do receptor que muda um ou mais efetores intracelulares direcionando uma resposta celular.
·          Muitos efetores são proteínas cinases, que são enzimas que transferem um grupo fosfato do ATP para uma proteína. A fosforilação de uma proteína pode alterar a sua configuração e criar uma resposta celular.




RECEPTORES
São proteínas grandes e cada uma com 2000 a 100000 receptores, onde cada receptor é altamente especifico para um tipo de hormônio.
Funções
Os receptores para moléculas que constituem sinais químicos têm duas funções: associarem-se aos ligantes e transmitirem a mensagem do ligante para que ocorra uma resposta celular.





Ú     De membrana

o        Canais iônicos quimicamente associados a ligantes
A associação do ligante abre e fecha o canal e altera o fluxo de íons através da membrana. Se o canal alterado é seletivo para o Na+, K+ ou Cl-, o aumento ou diminuiçao da permeabilidade iônica altera o potencial de membrana da célula, o que pode causar um sinal elétrico, e este alterar proteínas sensíveis à voltagem.  Portanto os canais iônicos associados a ligantes são importantes para os nervos e músculos.
Não necessita de transdução de sinal (transmissão da informação através da membrana celular por meio de proteínas de membrana). Ao contrário das outras 3 classes de receptores de membrana. 

o        Integrinas ligadas ao citoesqueleto
As integrinas medeiam a coagulação sanguínea, o reparo de tecidos lesados, a adesão celular, o reconhecimento de resposta imunológica e o movimento celular durante o desenvolvimento.
Quando o ligante se associa ao receptor ligado à integrina faz com que esta ative enzimas intracelulares ou alterem a organização do citoesqueleto.




o        Receptores de enzima
Receptores no lado extracelular da membrana que ativam enzimas no lado citoplasmático. As enzimas são proteínas cinases (tirosina cinase) e guanilil ciclases.
A guanilil ciclase é um exemplo de enzima amplificadora que converte GTP em GMPc.
Ligantes para estes receptores: fatores de crescimento, citocinas e insulina.



o        Receptores ligados à proteína G
As proteínas G inativas são ligadas ao difosfato de guanosina (GDP). A troca de GDP por trifosfato de guanosina (GTP) ativa esta proteína e ao ser ativada ela pode abrir canais iônicos na membrana ou alterar a atividade enzimática no lado citoplasmático da membrana.
A proteína G libera a subunidade alfa, e esta ativa uma proteína intracelular ou um canal iônico. A principal via dos mecanismos de transdução de sinal é a proteína G ligada a enzimas amplificadoras.



Ú     Nucleares
Moléculas sinalizadoras lipofílicas difundem-se através da bicamada fosfolipídica das membranas celulares e ligam-se a receptores nucleares ou do citosol. Neste caso a ativação do receptor gera ativação de um gene estimulando o núcleo a produzir novo RNAm, que atuará como molde para a síntese de novas proteínas. Resposta celular lenta.
Moléculas sinalizadoras lipofóbicas são incapazes de ingressar na célula, portanto se ligam a receptores situados na membrana. Resposta celular rápida.


Mecanismos de finalização da via de sinalização
  • Primeiro mensageiro extracelular degradado por enzimas no espaço extracelular.
  • Primeiro mensageiro removido do espaço extracelular pelo transporte até as células vizinhas.
  • Endocitose de todo o complexo ligante-receptor e após estar como vesícula na célula o ligante é removido e o receptor retorna à membrana por exocitose.


Beijos, Bons estudos =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário